segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

O Comunicador - Vol CL



A aliança com o Sagrado


A maioria dos Pastores defende o casamento como o Divino. Mesmo os solteiros, utilizam uma aliança no dedo assim como os Padres Católicos como símbolo à escolha feita pelo livre arbítrio (ou exigência divina). Para isto, cumprem obrigações, assim como os Pais d'Santo na Umbanda. Alguns hábitos são vetados (semelhante a como recomendam alguns espíritas), vetando o consumo das bebidas alcoólicas (também proibidas aos muçulmanos) e o tabaco (como defendem alguns judeus). Conforme a crença, o Divino não fuma e não bebe álcool no melhor estado (consciência e espírito). No espiritismo chamam-se (tais adeptos destes votos) espíritos d'luz ou esclarecidos. Ainda há quem defenda a abstinência d'alguns alimentos (preferindo frutas, cereais, carne branca e evitando o feijão, por exemplo), assim como o café puro (preferindo o café com leite, descafeinado ou cevada) e determinados hábitos.

Os dons divinos devem ser invocados diretamente ao E.S.. A interseção dá-se a medida que as obrigações se cumprem. O desejo deve partir do desejo e livre arbítrio.

Quem 'casa-se com o Divino' deve renunciar ao pecado. No umbandismo, a prática (no início) passa pelo que chama-se 'desfumo' e 'desbebo' das entidades que fumavam e bebiam no médium. Trazendo os chamados 'eguns' (anjos que andavam nas trevas) à luz. Escolhendo a luz diurna, a água limpa e o ar puro, como alimento ao espírito. O estudo bíblico diário também é alimento.

Desmanchando Mitos


Há quem diga que Nino d'Praga nunca existiu. Invenção criada para arrematar as linhas das famílias. Oferecendo aos Pais dizerem que teriam visto nos filhos, em troca do Jesus verdadeiro. Que foi crucificado e está no céu, acima das pessoas comuns (encarnados).

Ao serem desmanchados os Ninguéms, como são chamados no Oriente, emerge a nova etapa nas linhas familiares. Honra ao Sagrado Coração. Glória ao Divino.

 'Jorginho d'Capa Doce' também. Nunca existiu. Era encomenda do Rei George (que nunca foi santo), d'Inglaterra, pelo (em troca do) Divino (que está associado ao espírito familiar) dos quais se julgam Santos. Desmanchado o mito, emerge a nova etapa na fé cristã.

O certo é que há nada na Lua. Nem mesmo astronautas. Muitas pessoas pensam te-la visto (confundem) quando pensam em alguém. Como se fossem espelhos a puxar energia ou a desviar a fé. Alguns ainda se imaginam nela. Ou, como se fosse a própria casa, embora estivesse sempre do lado d'fora das janelas. Trata-se apenas d'imagens criadas pelo imaginário. A Lua é satélite que está fora d'Terra. Na órbita espacial.

Nas 'Lojas físicas' a Lua era abordada como prisão imaginária, em que uns imaginam-se fora d'si como se fossem outros (vultos que representam pessoas). Dissipando energias e, na continuidade da falsa crença, até mesmo a terra.

Aos navegadores antigos, a Lua nunca mostrou o caminho. Em verdade vos digo. São as estrelas que nos orientam.

Na Banda o drible energético ocorre quando as pessoas imaginam-se fora de si. (Imaginam-se) Olhando lugares distantes. Ou imaginando-se fora do próprio corpo como se fosse algum mito, Santo ou Orixá. Ou espelhando isto ou quem se julga.

O certo é que, como encarnados, estamos sempre em si. Além disto, é dissipar energia.

Zi também nunca existiu. Criado pela industria tabagista na mesma época em que emergiu a indústria automobilística. Oferecido como forma d'câmbio entre 'carros' (negócios ou contratos) e fumos. 'Utilizar' ou julgar-se isto, também, no fim das contas, é dissipar energia ou sacrificar a real identidade do ser.

O esclarecimento é a Luz do espírito. Os espíritos iluminados (esclarecidos) são livres d'necessidade dos vícios terrenos. O espirito esclarecido, que (antes) passou por tais experiências terrenas (ou puro, que ainda desconhece o pecado), ao buscar a luz, deve libertar-se do (evitar o) consumo d'algumas substâncias, alimentos e hábitos.

O esclarecimento é a Luz do espírito. Os espíritos iluminados (esclarecidos) são livres d'necessidade dos vícios terrenos. O espirito esclarecido, que (antes) passou por tais experiências terrenas (ou puro, que ainda desconhece o pecado), ao buscar a luz, deve libertar-se do (evitar o) consumo d'algumas substâncias, alimentos e hábitos.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Desencobrindo * O Desvelado *


Quanto à mente sã *

O povo d'Allah estava ligado; Tentando entender "Por que muitos preferem sentar-se para beber, enquanto existem outras escolhas".

'Sente-se' - Disse o garçom.

Parte do ouro foi trocado por álcool na mesma cor do mijo. Sheiks preferiam torneiras, maçanetas, facas e chaves 18 quilates. "Esta parte d'terra é nossa" - Disseram. "Ao gritar 'petróleo', enquanto passavam café, antes d'puxar a descarga".

'Eureka' com 'leche' respondeu - "Axé".


quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

À Obra Divina .'.



Nas encruzilhadas, três bandas negociavam. Como se fossem três anciãos. Os anciãos representavam lojas. Uma velha e dois velhos. A velha regia a Rosa; Os velhos regiam a Nação e os Estados, como irmãos dos filhos. 

Ao brigar por Jesus e reivindicá-lo dos pecadores; Ao brigar pela linha branca, ajudas espirituais e ganhos materiais, tiveram a benção do espírito familiar reivindicada. 

A Loja da Nação era regida por Jah e os azuis (Terças); As Lojas dos Estados, pelos 'Um' (Quintas); A rosa, por Obá e os rosas (Quartas).  

O pecador preferiu renunciar a 'briga' por Cristo. Invocando a interseção direta do Divino (Sábados). A renúncia do pecado passa por uma lista incontável d'renúncias e escolhas. Na direção do que é 'certo, bom e justo'. O 'corpo são e a mente sã'. 

Ambos haviam esquecido a piedade em nome das cobranças ou retornos. A guerra havia estendido-se aos anjos e demônios. Os espíritos esclarecidos (Luz) pediam a libertação das noites e vícios sociais (álcool e drogas). Assim como a libertação d'determinados alimentos. A estes, o trabalho profissional (com fins materiais) era apenas o dízimo dos trabalhos espirituais (no que tange à importância). 

Os quais brigavam, diziam ter visto Jesus nos filhos enquanto negavam os irmãos. O pecador que renunciou a 'briga', reconheceu o Pai Nosso como maior que os Orixás. Assim como o Divino maior que os Santos Católicos; Sendo Este, suficiente. Assim como na história d'Arjuna. 

Zelando pelo verdadeiro Cristo, condicionou-se a atender as exigências que tangem à libertação dos determinados prazeres d'carne. A Nova Igreja ainda nem tem nome.  


Óh; Axé .'.



Disse o Mestre - "Quem se julga dog, guaipeca ou cusco, então seja. Isto nunca aceitei nenhum (*abo). Melhor que se julgassem filhos do Pai".

No blefe; Ao drible. Ao se julgar *avalo sem ser, quando acusado disto, o Mestre (autor deste registro) montou ninguém. A pé e desarmado. Com os pés sobre o chão.

Desmanchada a terra ao pó. Nem lua sobre os prédios.

Óbvio que a gente pensa diferente.

Melhor casar-se com o Divino que acreditar em mitos.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Singular


Irmão Jesus .'. Exemplo único há 2000 anos .'.

A aliança com o Sagrado

A maioria dos Pastores defende o casamento como o Divino. Mesmo os solteiros, utilizam uma aliança no dedo assim como os Padres Católicos como símbolo à escolha feita pelo livre arbítrio (ou exigência divina). Para isto, cumprem obrigações, assim como os Pais d'Santo na Umbanda. Alguns hábitos são vetados (semelhante a como recomendam alguns espíritas), vetando o consumo das bebidas alcoólicas (também proibidas aos muçulmanos) e o tabaco (como defendem alguns judeus). Conforme a crença, o Divino não fuma e não bebe álcool no melhor estado (consciência e espírito). No espiritismo chamam-se (tais adeptos destes votos) espíritos d'luz ou esclarecidos. Ainda há quem defenda a abstinência d'alguns alimentos (preferindo frutas, cereais, carne branca e evitando o feijão, por exemplo), assim como o café puro (preferindo o café com leite, descafeinado ou cevada) e determinados hábitos.

Os dons divinos devem ser invocados diretamente ao E.S.. A interseção dá-se a medida que as obrigações se cumprem. O desejo deve partir do desejo e livre arbítrio.

Quem 'casa-se com o Divino' deve renunciar ao pecado. No umbandismo, a prática (no início) passa pelo que chama-se 'desfumo' e 'desbebo' das entidades que fumavam e bebiam no médium. Trazendo os chamados 'eguns' (anjos que andavam nas trevas) à luz. Escolhendo a luz diurna, a água limpa e o ar puro, como alimento ao espírito. O estudo bíblico diário também é alimento.

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Bem aventurados


O certo é que Nosso Senhor Jesus tem planos pra nós. Os desafios estão no caminho. A jornada é a aventura que se inicia a cada aurora e se estende além do poente. A batalha entre o bem e o mal emerge no amago do ser. 

Cristo foi crucificado pelos nossos pecados. No mundo em que somos responsáveis, ninguém é vítima e raros inocentes. No mundo das drogas e prostituição. No mundo do pecado e competição. 

Como podemos ajudar? Esta deveria ser a pergunta. Enquanto muitos buscam a libertação, que caminhos abrimos à salvação? Bem aventurados aqueles que renunciam o pecado. 


segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Como posso



Ninguém me chamou, mas vim pra dizer.

Só Deus é Pai e Justo também.

Evite oferecer-me a volta, quando tudo que tenho é ir em frente. Evite comparar-me com que senta na raiva ou retira-se no ódio, quando faço tudo no completo amor.

Em resumo, vos perdoo por desconhecer quem sou. A verdade é que me amo, me ajudo e posso ajudar.

O certo é que a gente pensa diferente.

Ao Divino



Às vezes me pergunto por que algumas religiões defendem a abstinência total do álcool (café, tabaco e drogas) como bebida escarnecedora que desvia o comportamento. Resolvi estudar isto na prática. Que o Divino nos ilumine. O espírito se esclareça. Luz pra nós!!



sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Ao Deus d'Paz


Zi foi encaminhado às bandas do Oriente - "Não fume drogas" - Disse o Mestre. O Guerreiro deveria optar pela 'ressaca zero'.

Enquanto isto, os borrachos, viciados e o povo d'rua, bebem e fumam "twenty four seven". Deus d'Guerra repartiu a própria terra.

Casar-se com o Divino requer a remoção dos pecados. Ninguém é Santo, Salvo o Pai. Nada é igual ao Nosso Senhor.